terça-feira, 21 de julho de 2009

Desabafo: Mundo virtual tão perto e tão longe

Talvez esse texto saia um pouco contraditório quanto às minhas atitudes e principalmente minha profissão. Não sei o que sairá, mas sei um bucado de coisas que andam passando na minha cabeça e que precisam ser colocadas pra fora. Ontem antes de desligar o computador, parei durante uns três ou cinco minutos e fiquei olhando a tela. De um lado haviam três MSNs ligados; porque eu cismei de fazer um pra agrupar todas as pessoas e outro meio “secreto” pra aparecer apenas pra quem me convém. E, não satisfeita em separar pessoas por “categoria”, eu separo também por MSN, galera X no MSN X e galera Y no MSN Y. É o cúmulo da loucura, mas é assim que é por aqui. Ao lado dos três MSNs ainda tenho o Skype, que além de conversar por texto e por voz, ele ainda possibilita de mandar torpedos e fazer ligações externas. É bom deixar sempre ligado, pra responder um torpedo e outro e para quem sabe; fazer alguma ligação. Ainda entre o Skype e o relógio da barra de ferramentas do Windows, está o ícone do Gtalk, um sistema de bate papo fornecido pelo Gmail. É leve, fácil e muito mais eficaz pra quem trabalha em empresa que bloqueia qualquer tipo de bate-papo. Gtalk é acoplado no e-mail do Gmail, logo se a empresa não pode impedir que o funcionário utilize e-mail, também não tem como impedir o Gtalk. Uso-o por isso mesmo, pra manter contato com a galera que está em serviço. Abro meu navegador e ali estão divididos em abas, porque agora todos navegadores têm abas para que possamos realmente fazer tudo ao mesmo tempo, na seguinte ordem: E-mails, Orkut, Twitter, Blip, facebook, Hi5, meu blog e enfim os sites “interessantes” que costumo acessar pra manter-me atualizada sobre as notícias do Brasil e do Mundo. E é assim, uma atualizada no Orkut a cada 10 minutos pra verificar o guestbook, as comunidades e as pessoas online. Hoje em dia participo de poucas comunidades, mas sou ativa nas que participo. Já nem respondo tão rápido os scraps, e raramente os mando espontaneamente. Das comunidades eu gosto, é interessante acompanhar as novidades e brincadeiras que rolam nelas. Devo confessar, tenho dois Orkuts e mais um Fake que eu negarei até a morte. Mantenho fotos, scraps e tudo mais que for possível, trancados e não tenho o menor pudor de não aceitar muitos convites de amizade no Orkut. Sempre de olho nos e-mails, jogando 70% fora, mais os Spans, e lendo e respondendo os outros 30%. Bom, respondendo naquelas, eu nunca deixo de responder, mas raramente sinto vontade de responder imediatamente. Mais da metade do que vem é propaganda, nem leio. Deleto tudo e ponto. O twitter é uma ferramenta genial pra quem precisa fazer publicidade e, ou, até para troca de notícias mesmo. É a forma mais imediata de se espalhar uma novidade. A coisa é antiga, mas vem bombando como se fosse novidade. Conheço pessoas super chatas que acabaram se entregando ao vício da twittagem e chega a dar mais de 20 twittadas por dia. É assim mesmo, cada movimento é uma twittada. Uma música, uma notícia, um pensamento, uma divulgação; tudo vira motivo. O bom é que dá pra escrever pelo celular, e aí é que o povo vai que vai mesmo. Eu particularmente AMO, com o twitter facilitou 75% de ficar por dentro dos eventos culturais que rolam por aí. De cinema a show. De teatro a sarau. Tudo isso eu recebo imediatamente através do meu twitter. Já o blip só é bom porque toca música. Aliás, é bom porque toca música e é associado com o Twitter, senão acho que teria ainda menos acesso do que tem hoje. Eu gosto, é interessante pra conhecer músicas talvez “novas” pra mim. Você pode ouvir o que as pessoas “blipam” e aí conhecer coisas novas ou contemplar músicas em comum. Escrevo em blog desde 2001, eu acho, e de lá pra cá muita coisa já mudou. Já tive a fase adolescente de usar o blog como um pequeno diário e escrever detalhadamente cada dia meu, com direito a fotos, recadinhos e tudo igual como aquelas agendas que menina costuma ter quando é jovem. Depois passei a ser mais subjetiva, e deixar os meus textos e meus “arranhões” poéticos, para os bons entendedores. Depois decidi que por mais subjetividade que existisse, haviam sido expostas coisas que deveriam ser guardadas somente comigo, passei então a postar apenas coisas que julgo plausível; como um comentário de um show, uma banda, um filme, peça ou até mesmo algo que eu ache interessante dividir. Para os desabafos internos, tenho ainda um blog sim, pois as palavras e os pensamentos me sufocam, mas esse blog é secreto e só eu tenho acesso total a ele. Fica então “Tudo aquilo que, de certa forma, me convém falar” e o “Tudo aquilo que, de certa forma, NÃO me convém falar.” Analisando toda essa cena, vi ainda o meu celular Nextel pousado na mesinha ao lado da tela do computador. Estava ali quietinho carregando, bem perto de mim. E o que me fez pensar, é que com tanta comunicação ainda consigo sentir um infinito vazio dentro do meu peito. É como uma saudade insaciável. E é engraçado você ter infinitas formas de “matar” essa “saudade”, de manter contato com as pessoas, e no fim, não manter esse contato. A pessoa fica ali, do outro lado da tela durante um tempão que você está no computador e mesmo assim é possível sentir uma distância e um silêncio profundo. E o que fica é a falta da presença física, do contato visual, do cheiro, do toque. Quanto mais tecnologia na comunicação e mais formas de globalização, o que vejo são apenas pessoas se distanciando cada vez mais umas das outras. Não existe mais uma conversa de fato aproximada, o que se vê são mensagens curtas e aleatórias, jogadas ao léu pra quem quiser pegar. E nessa coisa toda, às vezes, eu me sinto uma pessoa só. Ali, encolhida no cantinho da sala esperando, quem sabe, alguém que seja real e venha me dar um abraço, as mãos ou apenas um olhar sinceramente fraterno.

3 comentários:

Anônimo disse...

Sei E.X.A.T.A.M.E.N.T.E. oq vc quiz dizer ! beijos!

JAKELINE MAGNA disse...

Bjsss anonimoooooooo pena que nao deixou nominhoooooo

Adriano Thunder disse...

Uia! Pensei que eu tinha uma vida 100% virtual, mas você me superou...E sabe também me sinto como você às vezes, tenho Blip.fm, LastFm, Twitter, Msn, Orkut, Facebook, e ainda jogo Rpg Online, e ao fim de tudo fico sozinho. Mas eu tento disfarçar a solidão, rsrsrs... Abraços...