terça-feira, 27 de outubro de 2009

Drogas - Quem consome também mata.

Veja Capa Quem Cheira Mata


A Veja desta semana merece ser lida e refletida em várias esferas da sociedade, fiquei completamente maravilhada com a bela matéria que os jornalistas desta grande revista produziu para seus leitores. Claro que esta produção textual que chega a chocar qualquer pai de familia que tem este problema em casa, mas nós faz refletir porque este país está tão violento, com o forte crescimento do narcotráfico. Começamos primeiramente pela capa da VEJA desta semana que merece entrar para a galeria das sínteses de que só o jornalismo é capaz e que acabam fazendo história. Há ali uma inversão genial do senso comum. E, ao se inverter a formulação, toca-se no centro nervoso da questão da droga: o consumo.

Sim, todos sabemos que, em regra, “quem cheira morre” — ou, ao menos, tem aumentadas as chances de uma morte precoce. E o mesmo se pode dizer do consumidor de quaisquer drogas, lícitas ou ilícitas — umas mais letais, outras menos.

Ocorre que, em relação às drogas ilícitas, é preciso ter claro que QUEM AS CONSOME TAMBÉM MATA.

Há uma certa indulgência, no Brasil e no mundo, com o consumidor de drogas ilícitas. Curiosamente, transfere-se para a lei a responsabilidade pelos desastres sociais por elas provocados. “Ah, se fossem legais, tudo seria diferente. A culpa é da lei”. Trata-se de um raciocínio obviamente torto.

A ser assim, a melhor maneira de se acabar com os crimes é, se me perdoam a tautologia, descriminá-los. Se vale para as drogas, por que não valeria para outros tipos de transgressão? No Brasil, diga-se, o consumo, na prática, já é descriminado. Agora, o Ministério da Justiça tem um estudo indicando que também o “pequeno (?) traficante” tem de sair da cadeia.

O narcotráfico já demonstrou sua incrível capacidade de se reinventar. Se o “pequeno traficante” não tiver problemas maiores com a Justiça, é evidente que a saída para o grande traficante será fragmentar ainda mais a rede de distribuição. Até parece que um “pequeno” não está a serviço de um “grande”. Afinal, quem é o seu fornecedor?

O consumidor de drogas também comete um crime? Ora, é evidente que sim. E é preciso ser um cretino ou um vigarista moral para ignorar que o dinheiro que ele dispensou na compra da “mercadoria” se transforma em dinheiro sujo e vai meter um revólver ou um fuzil na mão de um adolescente.

Todas as barbaridades que estão ocorrendo no Rio de Janeiro e em vários outros Estados Brasileiro, vem do dinheiro sujo dos consumidores de drogas ilegais, eles são os patrocinadores do crime organizado e de várias mortes que acontece cotidianamente em nosso país.

Parabéns Veja desta Semana, a matéria está perfeita, explica muito bem quem é são os culpados pelo crescimento vertiginoso do Narcotráfico no Brasil.

4 comentários:

Lidia Ferreira disse...

Pois e amiga , vc viu a noticia na tv do cara que matou a melhor amiga, ele so´foi saber depois que acordou , e muito triste essa historia mas reflete o que vc acabou de postar , triste isso
bjs

Mahria disse...

Quem consome não se ver como o assassino que é...

P.S

Tem selo pra você no meu blog

Bjs
Mah

Pati Araújo disse...

Oi Jake,

Tem uma brincadeira lá no blog, participa!!

Beijos :)

Graça disse...

Jake,
ainda não tive oportuniidade de dizer o quanto admiro o seu trabalho, a sua colocação correta diante de fato tão graves que assolam o país e o mundo, notadamente o nosso querido irmão Rio de Janeiro!!
É realmente assustador tudo isso, parece não ter fim, mas eu creio que se fizessem aquilo que realmente precisa e deve ser feito, a violência se não acabaria, ao menos reduziria!!!
Veio a calhar o seu post, amiga, porque vim justamente convidá-la a dar uma olhadinha no meu blog 'botoesmadreperola'.
Numa blogagem coletiva, participo com um Projeto Educacional oferecendo sugestões para 'acudir' de alguma forma nossos jovens e crianças para que tenhamos a alegria de adultos de bem, num futuro bem próximo...
Sua postagem está magnífica, como sempre!
Um grande abraço. E aguardo sua visita, se der, pois a sua opinião é muito importante pra mim.