sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Violência Contra Mulher

A pop star Rihanna resolveu falar como se sente depois de ter sido espancada violentamente pelo seu ex-namorado e cantor Chris Brown. Na entrevista a cantora demonstrou como uma mulher fica abalada depois de ser agredida fisicamente e moralmente por seu parceiro. Veja trechos significativos da entrevista:


A cantora Rihanna quebrou seu silêncio nesta sexta-feira sobre a noite em que seu ex-namorado Chris Brown a atacou. Ela disse que ele bateu nela, sufocou-a e deixou-a inchada e sangrando. "Não era a mesma pessoa que diz 'eu te amo'. Não eram aqueles... olhos", disse Rihanna, de 21 anos, em uma entrevista a Diane Sawyer, no programa Bom Dia América da rede de televisão ABC. "Ele não tinha nenhuma... alma em seus olhos. Apenas o vazio. Ele estava claramente sem os sentidos. Não havia nenhuma pessoa quando eu olhava para ele", afirmou a cantora. Rihanna disse que, embora suas feridas tenham se curado, ainda permanece com recordações e as cicatrizes por dentro. "O que os homens não compreendem quando batem em uma mulher é que o rosto, o braço quebrado, o olho roxo vão se curar. Esse não é o problema. O problema é a ferida por dentro.""Você relembra, você relembra o tempo todo. Isso volta para você, quer você queira ou não. E é doloroso. Acho que ele não entendeu isso", disse ela.


Incrível,que mesmo hoje no século 21, ainda convivemos com o alto índice de violência contra a mulher.E mesmo com todos os avanços e conquistas, muitas mulheres ainda são submetidas a maridos violêntos e ciumentos. Hoje conversando com uma colega, ela me contou o que o marido, fez com ela á alguns meses atrás(separação) e a atual condição (reataram). Contou sobre as brigas e que tinha ido a Delegacia da Mulher, mas, retirou a queixa. Não consegui acreditar,no que estava ouvindo. Ela insistia que tinha feito a escolha certa (pelas crianças). Não dá para viver um inferno e fingir que nada acontece. Até porque, uma hora a coisa fica feia e não tem mais quem dê jeito. Bebida, aliada á uma condição machista, então, é mais que uma combinação explosiva. Cada um sabe de sí e aonde o calo dói mais, mas vê-la tentando justificar o comportamento do cara, foi muito triste. Então você fica a se perguntar: O porque,de uma pessoa ,insistir em (viver ou reviver) uma situação dessa? Claro,que as pessoas podem mudar, mas tem que querer muito, trabalhar a transformação, pedir ajuda e nunca descuidar,pode haver uma recaída. O problema da deste tipo de violência, é que ela machuca uma família inteira(mesmo que a única vítima seja a mulher), e as feridas não se fecham nunca.
http://1.bp.blogspot.com/_p9ffbeuBPEs/SSlUyV14ORI/AAAAAAAACNs/b4rQGFRoL14/s320/portaljv_jeremoabo_jovino_fernandes_lei_maria_da_penha.jpg
Maria da Penha Maia Fernandes é uma biofarmacêutica brasileira, que lutou para que seu agressor viesse a ser condenado. Em 1983 seu ex-marido, o professor universitário colombiano Marco Antonio Heredia Viveros, tentou matá-la duas vezes. Na primeira vez atirou contra ela, simulando um assalto, e na segunda tentou eletrocutá-la. Por conta das agressões sofridas, Penha ficou paraplégica. Nove anos depois, seu agressor foi condenado a oito anos de prisão. Por meio de recursos jurídicos, ficou preso por dois anos. Solto em 2002, hoje está livre. Com 60 anos e três filhas, hoje ela é líder de movimentos de defesa dos direitos das mulheres, vítima emblemática da violência doméstica.
Em 7 de agosto de 2006, foi sancionada pelo presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva a Lei Maria da Penha, na qual há aumento no rigor das punições às agressões contra a mulher, quando ocorridas no ambiente doméstico ou familiar. Hoje no Brasil, as mulheres tem a proteção da Lei Maria da Penha que é um instrumento no combate à violência contra as mulheres porque prevê punições mais duras para os agressores de mulheres. Depois que a Lei foi aprovada, em 2006, as mulheres estão se sentindo mais fortes para denunciar casos de violência. Vamos levantar está causa, contra os agressores e que a justiça seja feita.

4 comentários:

Sissi (a que queria ser princesa) disse...

Levei-te comigo


um xoxo da bannermania

Bárbara disse...

Não consigo entender como algumas mulheres se calam só por serem ameaçadas eu falaria com certeza esses loucos machistas ou sei lá o que tem que pagar a consequencia pelos seus atos pena que nem todos pensam assim!
Beijos!

Jakeline Magna disse...

Barbara... eu tb não sei como... acho um absurdo apanhar e e ficar calada...

Mahria disse...

Eu entendo sua amiga, eu vivo uma situação semelhante: "Bebida, aliada á uma condição machista." Ele nunca chegou a me agredir, mais ja andou perto disso, e sempre falo q nao o denunciaria, por causa dos meus filhos, jamais permitiria que meus filhos sofressem, vendo o pai sendo levado preso.

Beijos
Mah