domingo, 24 de janeiro de 2010

Ano de Superação para o Haiti


É interessante que o destino ferra com mais vontade quem já está bem ferrado. Em contrapartida, é igualmente interessante como que de grandes tragédias nascem atitudes inesperadamente nobres e de dimensões respeitáveis. Até pouco tempo, para muita gente o Haiti era só um país enfiado no meio de sei lá onde. Um país pobre como tantos outros. Muitos acreditavam que ficava na África. Nós brasileiros já tínhamos notícias mais recentes, uma vez que nosso exército (que aparentemente não tem muito o que fazer aqui, graças a Deus) foi em missão de paz, “reorganizar” o país após a deposição de Jean-Bertrand Aristide do poder, em circunstâncias polêmicas, que não vêm ao caso no momento, porque essa história rende. O que eu quero dizer agora é que, basicamente, o Haiti já era o país mais desgraçado do mundo. Muita miséria, violência, fome, medo e falta de perspectiva. E como Murphy não brinca em serviço, tratou de deixar pior o pior país de todos. Resultado, um terremoto arrasou o Haiti e aqueles que tinham onde morar, já não têm mais. É algo triste, que nunca veremos no Brasil, ainda bem. Um terremoto é a maior trairagem da natureza. Você pode perder tudo na vida. Emprego, mulher, cachorro. Mas o homem confia no chão onde pisa. Até que ele treme e você não pode confiar em mais nada. E o Haiti desabou. Em cima de milhares de pessoas, haitianos, estrangeiros, todo mundo. Eu confesso a vocês que achava que depois de uma semana, no máximo duas, a imprensa mundial pararia de falar na história e todos voltariam às suas vidinhas, seja quais forem. Mas não é o que deve acontecer. Os olhos do mundo se voltaram ao pobre e esquecido Haiti. Tropas de vários países foram mandados para o país para ajudar no resgate dos sobreviventes. E põe sobreviventes nisso. Mais de uma semana depois, ainda há gente sendo resgatada. Enquanto eu escrevo, existem crianças, adultos e idosos vivos debaixo de quilos e quilos de pó e concreto, esperando o momento de serem resgatados. Hollywood resolveu olhar para fora do mundo cor-de-rosa em que vive. Artistas mais engajados, como George Clooney e Sting se mobilizaram e organizaram um show com vários artistas. Nomes como Cristina Aguilera, Justin Timberlake, Madonna, Beyoncé e outros artistas da moda estiveram presentes no evento apresentado por Robert Pattinson (o novo galã-teen, astro de Crepúsculo), enquanto celebridades do cinema e da música atendiam ligações de pessoas que faziam doações. Artistas do quilate de Julia Roberts, Robin Willians e Ringo Starr davam uma de atendentes de telemarketing e conversavam com doadores. Bem legal. O evento, chamado Hope For Haiti (Esperança para o Haiti), juntamente com celebridades de vários lugares, empresas, governos e pessoas comuns está arrecadando dezenas e milhões de dólares para reconstrução do país. E as doações continuam, em forma de dinheiro, água, comida e roupas. É a maior mobilização que eu já vi na vida. É para se olhar para o mundo de uma outra maneira. Dá para ter esperança e crer que nem tudo está perdido para o homem, normalmente tão ganancioso e cruel. Disso tudo podemos concluir algumas coisas. Uma delas é que o George Clooney é um cara influente pra cacete, porque mobilizou a agenda de Hollywood em prol de sua ideia e de uma causa nobre. Outra é que nada como uma caridadezinha para levantar a imagem de qualquer artista em baixa. Bom para o Haiti, que conseguiu ajuda de muita gente famosa doida pra aparecer bem na fita. Mas acima disso tudo, a maior conclusão de todas é: Deus é sábio pra caramba. Calma, não vendi meu blog para o Edir Maiscedo nem me converti à Igreja Quadrangular do Triângulo Redondo. São simplesmente os fatos vistos racionalmente. Eu explico. Haiti era o pior país do mundo. Isso é fato. Se esse pequeno país da América Central tivesse sofrido um terremoto de menor expressão, ou um maremoto, que molhasse tudo, matasse umas 200 pessoas, mas que depois secaria, a mobilização talvez não fosse tanta. Mas as imagens das ruas de Porto Príncipe completamente destruídas, pessoas passando fome, sem casa e se agredindo por um saquinho de água é outra coisa. A ONU vai proceder com a reconstrução do país. Entenderam? O plano é que o Haiti seja levantado tijolo por tijolo novamente. E obviamente não vão só deixar do jeito que estava um minuto antes do tremor. O país deve ser melhorado. Entenderam agora? Poderia dizer que o Haiti foi o primeiro país que passou pelo apocalipse. Tudo foi por terra, muitas vidas se perderam, mas graças à imensa tragédia, o país poderá recomeçar. Praticamente do zero. É a chance de uma nova vida no gênesis haitiano. E que todas as promessas de fato se cumpram. Que o Haiti não seja apenas usado como palanque para Obamas, Lulas e Moons afiarem um discurso vazio de ajuda humanitária e solidariedade mundial, em prol de suas eleições e interesses pessoais. É torcer e fiscalizar.  
Autor: Thelixos

4 comentários:

Anônimo disse...

Perfeito, espero que mudanças significativas recuperem o Haiti, Bianca

Jakeline Magna disse...

Tenho certeza que ações humanitárias vão recuperar o Haiti, tenho certeza que com o povo unido isso vai acontecer!! bianca obrigado pelo comentário

Renata disse...

Adorei esta postagem, bem significativa.

Jakeline Magna disse...

Que Deus proteja os orfãs no Haiti...