sábado, 20 de fevereiro de 2010

Assassino de João Hélio em liberdade #revoltante

Estava vendo o noticiário e estou revoltada com a notícia sobre a liberdade concedida ao menor que assassinou (ou participou do assassinato) do menino João Hélio, no ano de 2007. Este caso está causando um frisson no Twitter, este bafafá deve ainda dar o que falar. Penso que se a justiça cumpriu seu papel prendendo o Governador do Distrito Federal e agora joga por terra a nossa crença nela com a liberdade a este jovem que cometeu um crime bárbaro contra uma criança. O caso do garoto João Hélio, arrastado por um carro por quilômetros, em 2007, nos trouxe duas terríveis constatações: a falta de limites e indiferença no quesito crueldade e a improvável recuperação do ser humano. Relembrar como foi a passagem do menino aqui é desprezível. É sofrer muito. Portanto, me atentarei a recente sentença de um dos assassinos. Ele foi solto e agora pertence a um programa de proteção a menores ameaçados de morte. O jovem foi solto no dia 10 de fevereiro - três dias após o aniversário de três anos do crime. Pela lei, o jovem já tinha o direito à liberdade. Segundo o advogado que representa a família de João Hélio, Gilberto Pereira da Fonseca, a decisão não é passível de recurso. - Não podemos fazer nada. Isso agride a todos. A lei no Brasil é um incentivo à criminalidade - reclamou o advogado. - Já sofremos demais com este assunto - disse Elso Vieites, pai de João Hélio. De acordo com o juiz, “seria necessário mais tempo para que (o jovem) se convença das vantagens da mudança de vida, do voluntário afastamento do grupo a que está integrado”. Está certo. E acredito na recuperação humana. Mas há casos e casos. E, infelizmente, este não parece ser um caso atenuante. Mais uma vez a justiça brasileira enterra mais fundo a sua cova. A cada dia penso que neste pais não existe justiça. Fico aqui pensando nos familiares do João Hélio que sofrem até hoje com este assassinato recebendo esta sentença. Crueldade maior e o que está fazendo a está familia que perdeu seu filho por causa de umas almas desprezíveis Li notícias hoje que o referido rapaz se mostrou muito indisciplinado e com o mesmo temperamento criminoso e cruel durante a sua internação/prisão. É inexplicável um ser de menor de 18 anos achar normal matar uma criança e não se sentir culpado pelo delito ou barbaridade. Dá para recuperar um ser assim?? Não sei a resposta. Mas fico indignada e perplexa com a justiça deste pais. Neste momentos apoio a justiça americana que utiliza a pena de morte para crimes bárbaros como este desta criança. Nos Estados Unidos estes jovens estariam atrás das grades cumprindos suas sentenças de mortes. Quando o Congresso Nacional deste país vai criar vergonha e providenciar uma legislação que permite que bandidos seja realmente punidos? Um bandido como esse e seus cúmplices tinham que estar na floresta amazônica, com uma bola de ferro presa por correntes ao tornozelo, por tempo não inferior a 30 anos, trabalhos forçados. Embora a boa e velha pena de morte seja uma opção válida para estes monstros. Fico, na verdade, constrangido de viver em um mundo onde tanta gente ainda age pelo tal instinto e eu poder fazer quase nada para melhorar essa convivência. Apenas tentar me proteger. BRASIL, país da IMPUNIDADE e da VERGONHA. Menor que mata criança de 6 anos é libertado aos 18 anos, tem a ficha penal APAGADA. Por fim peço a Deus luz e paz para o espírito do querido João Hélio.

5 comentários:

Elaine disse...

Querida,
Obrigada pela visita.

Não vi essa notícia, e foi melhor mesmo não ter visto. Ando pensando que esse mundo tá virado, assassino solto e gente de bem acuada.
Nojo.

Beijos para você.

Chica disse...

Se for mesmo assim, é REVOLTANTE!!! Não dá pra entender, imagino os pais!beijos,chica

alegria de viver disse...

Olá querida
Este é o tipo de noticia que nunca queremos ver, mas infelizmente é verdade.
Com muito carinho BJS.

Dora Regina disse...

Jake, a certeza da impunidade é que faz a cada dia aumentar o número de crimes...
Infelizmente no nosso país a justiça é cega, surda, muda...
Um grande abraço,
Está sumida hein!!!Apareça lá no meu cantinho!!

Gabriel Monteiro disse...

Olá Elaine,
realmente é difícil de se falar em justiça no Brasil.
No ano do assassinato de João Hélio, aproximadamente outras 10.000* crianças e adolescentes foram mortas nesse país.
A imensa maioria dessas vítimas não tem o perfil do João Hélio, mas de seus assassinos.
Adolescentes, residentes de áreas carentes urbanas são os que mais matam, são também os que mais morrem.
Claro que esse autogenocidio, que é sustentado pela falha generalizada das políticas públicas, deixa também suas marcas na população abastada: o medo, busca por serviços privados de proteção e de vez em quando um caso como o do João Hélio, quando o "matar ou morrer" desce as favelas, sai das periferias e se manifesta no centro visível da cidade. Aí sim é um absurdo, aí sim a lei sera injusta.
A injustiça e o assassinato fazem parte do brazilian way of life desde do nascimento desse país. Pra concluir, nesse sentido, temos nosso próprio facismo velado. Os ricos o sentem como um incômodo que de vez em quando dá suas caras. Mas quem morre todo dia não são Joãos Hélios, são sim, os mesmos que matam. Se você quer Pena de Morte no Brasil, não se preocupe, ela já está dada. O que você faz com isso?

*Dados do Mapa da Violência 2010.