domingo, 2 de maio de 2010

Em busca de uma Vida Ideal

Creio que vivemos em dois mundo. O real ou imaginário. Então pergunto?? O que é preciso para ter uma vida ideal??? Sonhar... Devanear... Ir a luta... Difícil encontrar uma resposta. Ao observar as pessoas na rua, de um lado para o outro sempre correndo no dia-a-dia, ao parar pra perceber suas atividades, trabalhos, vontades e sonhos, podemos notar a discordância disso tudo: da vida que acontece arduamente(vida real) e da que acontece na nossa imaginação(vida imaginária). Qual destas vidas é a ideal?? Continuou sem respostas. Tenho a convicção de que cada ser humano tem suas aspirações e sonhos, ainda que não pare pra pensar nisso conscientemente. E caso não tenha, ao meu ver, é porque não foi apresentada àquilo que faria diferença significativa. Há tanta gente incrível no mundo. Com habilidades, sonhos, idéias, pensamentos, charmes, olhares, sorrisos, mãos, inteligências diferentes e encantadoras. Há pessoas que desenvolvem trabalhos e têm atitudes surpreendentes e mesmo não (re)conhecidas estão lá, tentando. Ouvimos desde crianças que quando fazemos o que gostamos, fazemos melhor o nosso trabalho e somos mais felizes. Com o tempo isso tudo vira um imenso clichê e nos esquecemos do real significado desse pensamento. Esquecemos do que nos alivia, do que nos emociona e arrepia, do que é importante para que vivamos melhor. Se temos condição de buscar o que queremos e gostamos, vamos assim que dá vontade. Mas infinitos motivos nos afastam e é preciso não amnesiar com ilusões do cotidiano e do senso comum para não desistir. Não acomodar é muito mais difícil do que parece. Da vida ideal que merecíamos, deveríamos desde crianças ser expostos ao máximo de lugares, conhecimentos, línguas, idéias, artes possíveis, ter acesso a muitas das coisas existentes no mundo para que nossa possibilidade de escolha fosse um pouco maior, para que pudéssemos ter descobertas novas e surpreendentes constantemente. Da vida ideal que deveria ser a real, a gente deveria poder viver bem do que quisesse. Vamos deixar esclarecidos que dizendo que a vida ideal é a gente que faz, ou seja, que ela pode muito bem virar realidade. Mas nem sempre é assim. Ou então demora muito e desistimos no meio do caminho. O que fazer, então? No meio disso tudo não existe sequer um "certo" ou "errado" para nos guiar. Talvez a ideal (e por isso tão difícil) realidade seja dosar um pouco de cada coisa: uma porção da indispensável e medíocre realidade crua e uma outra porção de vontades não tão frustradas assim.

12 comentários:

Anna Paula disse...

Tipo DETONOU excelente artigo.

christy disse...

EU PREFIRO QUE A VIDA IDEAL SEJA A IMAGINÁRIA. SONHO TODAS AS NOITES QUE ESTOU NA CAMA COM FIUK.
QUEM SABE UM DIA SEJA REALIDADE.

Dora Regina disse...

Jake, prefiro o mundo imaginário, tudo começa por um sonho, quem sabe se meus sonhos ainda podem se tornar realidade?
Um abraço! Muito bom o texto.
Boa semana!

Chá das Cinco disse...

Aprendi que nunca devemos ser tão certinhos, a vida real é obrigatória,mas quase sempre ela é feita como uma colcha de retalhos, pedacinhos de imaginação são colocados alternadamente.
Assim, o colorido se faz bem frente ao nossos olhos.

Um grande beijo
Gostei muito daqui, fiquei.
Gemária Sampaio

Jakeline Magna disse...

Gemária Sampaio adorei muito a sua visita... bem vindaa... e obrigado por tudo...

Luciana P. disse...

Acho que essa porção de mediocridade a que somos submetidos é o que mais nos atormenta. Concordo com o seu pensamento... Mas é assim que vamos aprendendo a viver, aproveitando o que nos dá prazer e suportando até onde for possível o que não há como se livrar.
Adorei a reflexão!

Beijos!
Boa semana pra ti!

Jakeline Magna disse...

Obrigado por seu carinho Luciana...

Tânia Meneghelli disse...

Oi Jake!

Que bom retornar depois de um tempão longe e me deparar com essa postagem.

Coincidentemente trata-se de um assunto sobre o qual tenho pensado bastante ultimamente. Na verdade já não me apego tanto ao que seria ideal. Tenho procurado viver com maior tranquilidade pelo menos o que é real e está ao meu dispor de fato.

Por exemplo, há um tempinho atrás me dei conta do quanto havia abandonado minha vida, minhas coisas e as pessoas reais que me cercavam pra me dedicar quase que inteiramente a atividades virtuais. Passava um tempo danado nesse computador, depositando expectativas em pessoas que mais tarde me decepcionaram bastante, pelo simples fato de estarem em sintonias diferentes da minha, sem objetivos concretos.

Assim, com isso e mais o fato do amadurecimento me mostrar o que realmente vale a pena, resolvi canalizar minha energia somente para aquilo que sei que posso concretizar e que vai me trazer uma satisfação verdadeira.

Às vezes, coisas bem simples que já estão ao nosso alcance são as que podem nos fazer muito mais felizes e a gente nem se dá conta disso.

Sei lá... Acho que as velhinhas vão sonhando cada vez menos... Será que é isso? kkkkkkk!!!

Ótimo post, adorei!

Beijoca!

Luciana Klopper disse...

Adorei o post! me fez ficar aqui refletindo, pensando..será que dá um novo post? rsrs

Jakeline Magna disse...

Taniaaaa adorei a sua visita volte sempre... e adorei muito suas considerações, muito relevantes para o post e claro com ideias favoraveis para melhor o contexto do artigo, vlw querida...

Jakeline Magna disse...

Lu... vá a luta produza... assim novas ideias vão fluir... e assim melhorar ainda mais o post... beijão flor...

Hod disse...

Olá Jake,ainda refletindo sobre esse belo texto, lembranças saltaram. Lembranças de um tempo onde o foco estava no reagir às coisas do mundo.
Algumas chaves foram apreendidas.
A 1ª é a mais díficil. Deixar de observar o mundo e passar a autobservar e testemunhar o que contribuia para que oscilações emocionais e sentimentos criassem novos estados ricos em recursos. Acabava de encontrar uma chave. A transformaçã é mágica porque é de dentro para fora.

Forte abraço, Alôha.

Hod.