quarta-feira, 19 de maio de 2010

O Agradecimento da Cegonha (Tsuru-no-Ongaeshi)

Era uma vez um velhote e uma velhota que moravam numa vila. Um dia, quando o velhote estava a passear, viu uma cegonha que estava com dores. Ela tinha caido numa armadilha. O velhote teve pena, e libertou-a. Ela ficou alegre, e voou pelo céu. Em casa, disse à velhota que tinha salvo a cegonha. Ela elogiou-o e nessa altura, alguém bateu à porta, o velhote abriu-a e viu uma rapariga linda. Estava a nevar muito lá fora. Ela disse que se tinha perdido e perguntou se podia ficar lá em casa dos velhotes. Eles tiveram pena e aceitaram-na. Mas, como no dia seguinte ainda estava a nevar, a rapariga ficou mais tempo, e ela trabalhou muito para os velhotes. Lavou roupa, limpou a casa e fez-lhes massagens. Passados 3 dias, a rapariga disse que queria ser filha deles. Eles ficaram muito alegres e aceitaram-na. Ela trabalhava cada dia mais e mais e eles adoravam-na. Um dia ela pediu ao velhote para ir à cidade e comprar uma agulha e uma linha. Ele comprou-as e entregou-lhas.
- Agora eu vou fazer uma coisa no quarto. Enquanto estiver lá, não entrem e não olhem lá para dentro, de maneira nenhuma. - disse a rapariga.
Durante 3 dias, os velhotes não entraram no quarto. Então, a rapariga apareceu, mas parecia muito cansada. Tinha um pano bonito na mão e pediu ao velhote para o vender. Ele foi à cidade, vendeu-o e ganhou muito dinheiro. Ficou muito alegre, comprou uma linha linda, uns presentes para a rapariga e para a velhota, e voltou para casa. A rapariga fez um pano mais uma vez. Era ainda mais bonito que o anterior.
- Nunca vi uma coisa tão bonita! - disse o velhote.
Como ele o vendeu ao SHOUGUN, ganhou muito dinheiro e comprou muitos presentes para a família e linha linda para a rapariga. Um dia, quando a rapariga estava no quarto, a velhota quis olhar para dentro. O velhote pediu-lhe para não olhar porque tinham prometido, mas ela abriu um pouco a porta e espreitou. Lá dentro, estava uma cegonha. Estava a tirar as penas e estava a fazer um pano lindo. Como tinha tirado as penas, estava quase nua. A velhota ficou surpreendida e fechou a porta. Imediatamente, a rapariga apareceu do quarto. Ela tinha um pano lindo e comprido.
- Que pena! Queria estar convosco para sempre, mas como já sabem o que eu sou, não posso ficar aqui. Eu sou a cegonha que salvou naquele dia. Muito obrigada por tudo. Tenho de sair agora. - disse ela.
Os velhotes choraram e quiseram fazê-la desistir de sair, mas ela transformou-se em cegonha e voou para o céu. Depois, graças ao pano que a cegonha tinha deixado, os velhotes viveram felizes para sempre.

4 comentários:

Tassyane disse...

Jake, eu ando tão sem tempo de vir aqui e ler como eu gosto; paciente e atenciosamente.
Vi esse novo post seu agora, pelo nome chamou-me a tenção na hora e de fato, adorei. Delicado e sincero. Da alma para alma.
Parabéns e prometo no final de semana com meu tempo livre aparecer e ler os antigos.
Beijos

alegria de viver disse...

Olá querida
Não conhecia esta lenda, uma bela mensagem.
Fico triste porque parece que sempre é a mulher que estraga tudo.
Com muito carinho BJS.

Anônimo disse...

Jakeline, obrigada pela visita.

Jakeline Magna disse...

Tassy obrigado pela visita... agradeço mesmo... ter vc como leitora do blog já é uma grande alegria...

anonimo... senti falta de saber quem é vc... mas obrigado por vim...