terça-feira, 8 de junho de 2010

Apartheid na África do Sul #CQC

O programa CQC da Band comprovou na noite de ontem (07/06/2010) que o Apartheid não morreu no país africano. Mas só para dar uma esclarecida: Apartheid (significa "vidas separadas" em africano) era um regime segregacionista que negava aos negros da África do Sul os direitos sociais, econômicos e políticos. Embora a segregação existisse na África do Sul desde o século 17, quando a região foi colonizada por ingleses e holandeses, o termo passou a ser usado legalmente em 1948. No regime do apartheid o governo era controlado pelos brancos de origem européia (holandeses e ingleses), que criavam leis e governavam apenas para os interesses dos brancos. Aos negros eram impostas várias leis, regras e sistemas de controles sociais.  Entre as principais leis do apartheid, podemos citar: Proibição de casamentos entre brancos e negros - 1949; Obrigação de declaração de registro de cor para todos sul-afriacanos (branco, negro ou mestiço) - 1950; Proibição de circulação de negros em determinadas áreas das cidades - 1950; Determinação e criação dos bantustões (bairros só para negros) - 1951; Proibição de negros no uso de determinadas instalações públicas (bebedouros, banheiros públicos) - 1953; Criação de um sistema diferenciado de educação para as crianças dos bantustões - 1953. Este sistema vigorou até o ano de 1990, quando o presidente sul-africano tomou várias medidas e colocou fim ao apartheid. Entre estas medidas estava a libertação de Nelson Mandela, preso desde 1964 por lutar com o regime de segregação. Em 1994, Mandela assumiu a presidência da África do Sul, tornando-se o primeiro presidente negro do país. Podemos observar com está grande matéria do CQC o fim oficial do regime de Apartheid não livrou completamente o país do preconceito e da desigualdade. Hoje, o país vive uma separação de outro tipo, baseada na discriminação de classes econômicas.  O país passou de um apartheid racial legalizado para um apartheid de classes, e é óbvio que os dois estão muito ligados.  A Copa do Mundo da Fifa terá os efeitos de uma grande campanha de marketing, mas trará poucos benefícios práticos para a população que convivem diariamente com o racismo. A Copa terá como resultado apenas uma entrada esporádica de dinheiro e, no fim, deixará grandes elefantes brancos, estádios a que a maioria da população nunca terá acesso. É triste comentar sobre isso, mas é a pura verdade. A grande maioria negra e mestiça que sofre com discriminação não poderá ter acesso e curtir estes elefantes brancos. Enquanto as grandes televisões só comentam sobre os jogadores e esqueceram de noticiar as crises que o país sede da Copa do Mundo sofre o CQC (Custe o que custar) trouxe está semana uma matéria muito significativa e de grande relevância para a população jovem saber sobre o racismo que é muito forte e poderoso nesta nação. É difícil de imaginar, mas a África do Sul tem a grande maioria da sua população negra, e mesmo assim este povo são excluídos de muitos recursos. Parabéns CQC pela iniciativa, bravo... Não posso deixar de registrar que sempre que tem uma chamada na Tv sobre a população africana, observo sempre a alegria daquele povo em recepcionar os brasileiros e outros estrangeiros. É muito gratificante ver a festa que eles fazem e comemoram, mesmo sofridos eles estão sempre festejando. Mas espero e peço a Deus que este grande evento traga muita paz e o fim da discriminação de qualquer espécie a está maravilhosa nação africana.
Links relacionados: 

5 comentários:

Lay Mota disse...

oi flor! retribundo a visitinha
amei o post eu assistir ontem o CQC
esses caras são uma comedia, muito bons
beeijos
ja to te seguindo

█► JOTA ENE ◄█ disse...

ººº
Direitos iguais p'ra todo o mundo, né?

Bjoooo

Amanda Diógenes. disse...

Apartheid, '--
Já tava na hora da frase "Direitos iguais para todos" ser colocada em prática.
Vivemos num mundo maquiado...

Jakeline Magna disse...

isso mesmo amanda... vivemos um mundo maquiado que muitos dos direitos que todo ser humano tem não e respeitado e deixado de lado... até quando??

Obrigado Jota Ene sua presença...

alegria de viver disse...

Olá querida

Sim, infelizmente, o apartheid ainda existe.

Obrigada pela visita.
Com muito carinho BJS.