quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Adoção de Crianças - Para amar não existe cor!!

Na noite passada estava assistindo o programa Profissão Réporter e me emocionei muito com o Tema desta Semana que foi "Adoção de Crianças". Resolvi ler um pouco mais sobre o assunto. Você sabia que atualmente a quantidade de pessoas que querem adotar uma criança é maior do que a quantidade de crianças que estão disponíveis para adoção. Sendo assim, você sabe por que ainda existe um monte de crianças para serem adotadas, abandonadas, sem lar? Geralmente as pessoas procuram características especiais nas crianças a serem adotadas. Os futuros pais adotivos geralmente querem crianças que tenham características físicas similares as deles. Também procuram por crianças mais novas, recém-nascidas e “saudáveis”. Segundo dados colhidos nos órgãos responsáveis pelos processos de adoção, a maioria dos futuros pais procuram por meninas brancas com menos de dois anos de idade. Assim, as que não se enquadram nesses parâmetros ficam nos abrigos para menores, remoendo suas esperanças e alimentando seus sonhos. A Lei 12.010, de 29 de Julho de 2009 de adoção de crianças comenta em seu texto a criação de um cadastro nacional de crianças e adolescentes em todo o país e dá direito ao adotado de conhecer seus pais biológicos depois dos 18 anos. Além disso, facilita os procedimentos para adoção e permite que qualquer pessoa com mais de 18 anos, independente do seu estado civil, adote uma criança. A única restrição para a adoção individual é que o adotante tenha pelo menos 16 anos a mais que o adotado. A opinião da criança durante o processo de adoção é outra exigência do novo estatuto. Além disso, as crianças não podem passar mais do que dois anos em abrigos e os irmãos devem ser adotados pela mesma família. Outro ponto levantado pela nova lei é a atenção a mães que tenham interesse em entregar seus filhos para a adoção. No programa Profissão Réporter mostrou a realidade que muitas famílias brasileiras selecionam um perfil específico para as crianças que querem adotar. E desta forma as crianças morenas e negras ficam sem adoção abandonada nos abrigos brasileiros. O programa mostrou a adoção de um casal italiano que veio no Brasil adotar duas meninas negras. É incrível que casais brasileiros muito exigentes no momento da adoção enquanto que casais italianos adotam sem tantas exigências e assim fazem a alegria destas crianças tão sofridas. É muita falta de respeito para não dizer egoismo destes casais que querem filhos perfeitos sem traumas, e não pensam na quantidade de crianças que precisam de um lar, de carinho, de amor nos abrigos. Preconceito é burrice, mas maior burrice ainda é achar que ele não existe. Será que para amar existe cor?? Muitos casais que querem adotar devem imaginar que a cor da pele e a idade acima dos 5 anos influi no cárater e na personalidade destes pequenos, está é a unica explicação que vejo além do preconceito racial. O amor dado as crianças adotada é retribuido em dobro pelos pequenos. Todo o cuidado e afeição volta aos pais, que aprendem muito mais do que ensinam. E engana-se aquele que pensa que isso vai depender do fato de a criança ser perfeita fisicamente ou não, ser parecida com os pais ou não, ou terem outras quaisquer características que se pensem ser relevantes. Para que nós possamos fazer a diferença não é necessário adotar uma criança, já que para adotar é constitucional querer e poder. No entanto, podemos fazer a diferença combatendo a infâmia do racismo relembrando e fazendo uso de uma célebre frase que nunca fica fora de moda e fez parte da maioria de nós na adolescência. “Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível para os olhos...” Antóine de Saint-Exupéry, em "O pequeno Príncipe”.

5 comentários:

Taia Assunção disse...

Oi Jakeline...tô longe a dias né. Em minha opinião, sem querer entrar no contexto racial...acredito que a vontade de adotar bebês ou crianças o menor possível seja pela vontade de acompanhar o desenvolvimento desde o início. Acompanhar o primeiro passo, a primeira palavras...talvez, na ânsia de se transformarem em pais as pessoas acabam cometendo esses deslizes. Acho complicado dar o direito ao adotado em conhecer os pais biológicos após os 18 anos, acho que eu ficaria frustrada numa situação dessas. É um assunto delicado que exige bastante discussão. Beijocas!

Beta disse...

Oi linda!
Vc gosta de Rock?
Quer ganhar um Cd personalizado?
Então passa lá no Mix:
http://www.mixculturainformacaoearte.com/2010/08/live-and-dangerous-thin-lizzy-coluna-de.html

Perfeita Beleza disse...

Oi flor !!!

Adorei seu blog e já estou te seguindo e se tiver um tempinho de uma olhadinha no meu é sobre cabelos e se gosta seje minha seguidora tbm ...

Beijos *-*

http://perfeitabeleza.blogspot.com/

Carlos Rodrigo disse...

Olá! Adorei seu Blog, axei MTO interessante, tem um bom conteúdo! Vou te seguir! Eu criei o meu a um mês e alguns dias, se quiser dar uma olhada fique a vontade!
Bjx

REINALDO VIANA disse...

Olá! excelente Blog, a foto da matéria diz tudo! sua colocação fez muitas pessoas refletir o que ter uma família, tenho plano em adotar, mas a burocracia nos dar um pouco de freio. não frequento orfanatos porque se eu ver crianças como os da foto da matéria, cada um com sua ingenuidade com certeza faria o possível para ter essas benças em meu lar. Parabéns.. .